Chamonix-Mont-Blanc

Oiiii gente,


Estou de volta para contar um pouquinho sobre uma das cidades mais famosas dos Alpes franceses: Chamonix-Mont-Blanc (em francês a gente não pronuncia o x, então é como se fosse Chamoni mesmo).
Como o próprio nome diz a cidade fica no norte do Mont-Blanc, o pico mais alto da Europa localizado aproximadamente 4810 metros acima do nível do mar.

Por curiosidade, o top 5 dos picos mais altos do mundo (em critério altitude em relação ao nível do mar) são:
1- Monte Evereste, 8848 metros, no Himalaia
2- K2, 8611 metros, entre o Paquistão e China
3- Kanchenjunga, 8586 metros, entre Nepal e India
4- Lhotse, 8516 metros, entre China e Nepal
5- Makalu, 8481 metros, entre China e Nepal

Ou seja, se eu já fiquei impressionada com o Mont-Blanc que é mais ou menos metade do pico mais alto do mundo, imagina quando for conhecer o Everest! haha

Chamonix, Mont-Blanc, fica situada 82 km de Genebra e foi parte do nosso roteiro de viagem que agora eu compartilho com vocês.

O roteiro


Dia 1) Conhecer Genebra e ir de carro até Chamonix (1:10 de carro). Dormir em Chamonix
Dia 2) Passear por Chamonix e admirar o Mont-Blanc, bate e volta em Annecy (1:15 de carro). Dormir em Chamonix
Dia 3) Passear por Chamonix, conhecer Megéve (45 min de carro) dormir em Saint-Vicent na Itália (1:45 de carro passando pelo túnel do Mont-Blanc)
Dia 4) Rodar de carro pelo Vale de Aosta, na Itália e conhecer Chamois e cidade de Aosta. Dormir em Saint-Vicent
Dia 5) Ir voltando para Genebra e conhecer Courmayer (50 min de carro de Saint-Vicent), depois entregar o carro no aeroporto de Genebra e voar de volta para a Belgica (1:30 de carro) O roteiro

Como ai em cima já disse, escolhemos Chamonix para ser nosso ponto estratégico e dormir duas noites. O dia estava lindo e a cidade nos encantou no momento em que chegamos.

Dormimos no hotel Alpina Eclectic Hotel e adoramos. A localização é excelente, o hotel é novinho e tem até um spa para os hóspedes (massagens e tratamentos pagos a parte). O hotel oferece 2 tipos de café da manhã diferentes: um no último andar do hotel com vista privilegiada do Mont-Blanc e outro no primeiro andar – claro que com tarifas diferentes também. Na época em que fomos (Agosto de 2019), o primeiro estava 19 euros por pessoa enquanto o segundo estava 8 euros.

O hotel fica ao lado do rio Arvre que possui uma cor diferente dos rios “tradicionais”, vamos dizer assim. A água que cai nele vem diretamente das montanhas trazendo não só a neve (quando derrete) quanto também os minerais das rochas por onde passa.

Recomendo para quem estiver com tempo apertadinho escolher a primeira opção do café da manhã para poder ficar namorando o Mont-Blanc com essa vista:

Deixamos as nossas coisas no hotel e fomos logo passear pelo centro histórico. Fomos no Office du Turisme para pegar o mapa e umas dicas das melhores coisas a se fazer em Chamonix durante o verão. A cidade estava cheia de flores, muito bem cuidada, com sol e neve no topo do Mont-Blanc. Uma combinação perfeita!

Por lá você encontra diferentes lojinhas e comércio e opções de restaurantes para jantar (recomendo o restaurante Atmosphere e o restaurante Les Caves assim como o Bar du Moulin) com vista tanto quanto para as montanhas quanto para o rio Arvre que atravessa a cidade.

Uma bela caminhada até o Lacs des Gaillands (25 minutos uma direção desde o centro) também foi parte do nosso roteiro, uma vez que você atravessa todo centro histórico até se afastar um pouco para poder admirar a beleza do Mont Blanc com mais calma e fora do agito.

Tanto durante o inverno quanto no verão a cidade fica lotada de turistas. Na época de neve, claro que a atração principal é o ski e durante o verão as diferentes caminhadas pelas montanhas são o foco da galera. Uma das mais famosas caminhadas é até o Lac Blanc, mas para essa o físico tem que estar em forma, uma vez que são 3 horas para ir e 3 horas para voltar (isso porque durante o verão eles desativam um teleférico que fica mais perto do lago, dificultando o fácil acesso até o lago).

Porém uma coisa não muda: em qualquer estação do ano todos querem ver o queridinho do Mont-Blanc de pertinho. Para isso existem 2 principais subidas de teleférico/cable car: o Téléférique du Brévent (2525 metros acima do nível do mar) e o Téléférique de L’Aiguille du Midi (3842 metros).
A diferença entre eles além das altitudes e o preço (Brévent é 33,50 euros e o L’Aiguille du Midi é 63 euros por pessoa) é a vista para o Mont-Blanc.
Subindo o L’Aiguille du Midi você se encontra ao lado do Mont-Blanc, em suas montanhas vizinhas. Já no Brévent você se encontra em frente ao Mont-Blanc, um pouco mais afastado.

Escolhemos subir o Brévent e não nos arrependemos! Cada vista de tirar o fôlego! Ainda lá em cima sentamos para apreciar a vista no restaurante panorâmico. O vinho não era muito bom não, mas com essa vista quem se importa? 😀

O Matheus resolveu se arriscar e pular de parapente – de jeito nenhum que eu faria isso! hahah Ele pagou 110 euros por um vôo de 20 minutos, mas existem vôos de até 1 hora por 200 euros. No final o instrutor perguntou se podia fazer umas manobras radicais e o Matheus disse sim, para logo se arrepender porque ficou enjoado. Mas depois disse que foi uma das melhores experiências da vida dele.

Depois jantamos no restaurante Atmosphere (como indiquei acima) e super recomendo! Comida muito boa.

A cidade em si é toda muito linda e bem cuidada, e a vista para o Mont Blanc é algo indescritível. Só indo para ver!

Espero que eu tenha incentivado vocês a conhecerem Chamonix e dado umas dicas que serão úteis 🙂

Beijinhos e até a próxima!
Paulinha


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s